CARREGANDO

O que você procura

Especiais Fotos

Pelo Mundo ESPM – Atlântida Cinematográfica

Compartilhar

Johnny Negreiros – 2º semestre

Vitor A. Altino – (3º semestre)

Atlântida Companhia Cinematográfica do Brasil S.A. foi uma produtora nacional de filmes, tendo relevante sucesso. Ela fez parte de um boom cultural durante os anos 1940 no Rio de Janeiro e produziu inúmeras tramas notáveis. Porém, teve somente 21 anos de duração, entre 1941 e 1962.

O objetivo de Moacir Fenelon e José Carlos Burle, fundadores da Atlântida Cinematográfica, era promover um desenvolvimento industrial próspero do cinema brasileiro. Durante os dois primeiros anos de funcionamento foram produzidos somente cinejornais, o primeiro deles, o Atualidades Atlântida. Posteriormente estreou o primeiro longa-metragem, um documentário-reportagem sobre o IV Congresso Eucarístico Nacional em São Paulo, em 1942. Como complemento foi lançado também o média-metragem Astros em Desfile, uma espécie de parada musical que contou com a participação de artistas populares da época.

Moleque Tião, de José Carlos Burle, foi a primeira metragem de sucesso, baseada na vida do ator e astro da Atlântida: Grande Otelo. Nesse filme, ele contracena pela primeira vez com Oscarito, com quem formaria a dupla de comediantes de maior renome do cinema brasileiro. Após quatro anos, em 1947, a Atlântida é consagrada como a maior produtora brasileira. No mesmo período, doze filmes foram produzidos, dentre eles: Gente Honesta e Tristezas Não Pagam Dívidas. Durante 1945 Watson Macedo entra em cena. E sob a direção dele, é produzido o filme Não Adianta Chorar. Em 1946 outro destaque: Gol da Vitória, com Grande Otelo como o craque Laurindo. Muitas outras produções vieram à público e foram muito bem aclamadas pela crítica, surtindo sucesso inclusive fora do Brasil. Segura Essa Mulher, Este Mundo é um Pandeiro e Fantasma por Acaso, Carnaval no Fogo, Luz dos meus Olhos, A Sombra da Outra, Aviso aos Navegantes e Aí vem o Barão são alguns exemplos de típicas produções cinematográficas da época.

Em 1952, houve um incêndio no depósito dos estúdios da Atlântida. Infelizmente, o vigia do local veio a falecer. Ademais, somente três produções puderam ser recuperadas entre os destroços: Três Vagabundos, Meu Amigo Bicheiro e Casa da Perdição outras se perderam. A Atlântida se renova em 1953 e é produzido, A Dupla do Barulho. Logo depois chegou a vez de Nem Sansão Nem Dalila e Matar ou Correr.

Oscarito desde 1954 demonstrou o seu enigmático talento em sequências como: O Golpe, Vamos com Calma e Papai Fanfarrão, além de Colégio de Brotos e De Vento em Popa em que Oscarito faz uma imitação de Elvis Presley. Há também a paródia Os Dois Ladrões e a memorável comédia que buscou satirizar a Guerra Fria: O Homem de Sputnik que faz uma crítica veemente ao imperialismo norte-americano, e é considerado pela crítica, o melhor filme produzido pela Atlântida.

Por fim, em 1962 a Atlântida produz seu último filme: Os Apavorados, de Ismar Porto. Em 1974 em conjunto com Carlos Manga, realiza  era a Atlântida, uma coletânea contendo trechos dos principais filmes produzidos pela empresa. No fim contabilizaram 66 filmes produzidos.

Uma figura importante nesse processo foi Luís Severiano Ribeiro Jr. O empresário entrou no ramo do cinema por causa da política protecionista do presidente Dutra. Em 1947, um decreto da autoridade exigia que os cinemas no país exibissem no mínimo, três filmes brasileiros por ano.  Quando se tornou sócio majoritário da companhia, fortificou as chanchadas e as comédias musicais em âmbito nacional.

Em um processo de inserção do cinema estrageiro em território nacional, a partir do governo Juscelino Kubitschek, em 1956,  a Atlântida se mostrou defasada. Passa-se a ter uma demanda por obras com cunho de crítica e denúncia social, apoiadas no realismo. Sandro Santana, mestrando do Programa Multidisciplinar de Pós Graduação em Cultura e Sociedade da Universidade Federal da Bahia, argumentou: “No entanto, a Atlântida permaneceu repetindo as mesmas fórmulas sem mostrar capacidade de renovação e com o esgotamento do filão das chanchadas e do filme musical a Companhia paralisa as suas atividades em 1962”.

Tags:

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *