CARREGANDO

O que você procura

Especiais Jornalismo Esportivo

Por que o VAR no Brasil ainda gera tantas polêmicas?

Compartilhar

Isabella Pascucci, Paulo Belleze, Tatiana Carvalho, Valentina Alayon (Oficina de Jornalismo Esportivo)

Após bons resultados do VAR na Copa do Mundo de 2018, diversas ligas nacionais começaram a adotar esse sistema. No Brasil, a tecnologia foi primeiramente utilizada na Copa do Brasil de 2018, na fase das quartas de final.

Atualmente, a presença do árbitro de vídeo já é recorrente nas fases finais de 9 campeonatos estaduais, além do Brasileirão e todas as rodadas da Copa do Brasil. Apesar de já ser algo habitual para o futebol brasileiro, o VAR ainda gera muitas discussões entre jornalistas e profissionais de arbitragem.

Esse recurso tem como principal objetivo reduzir os erros com uma interferência mínima e benefício máximo, mas no Brasil parece que as coisas não estão saindo como o esperado. A primeira reclamação ocorreu devido aos custos do árbitro de vídeo, que foram muito maiores do que nas ligas europeias. No entanto, o que mais gera contestações atualmente é a demora do VAR para revisar e tomar decisões, que já chegou a paralisar uma partida durante 5 minutos, no confronto entre São Paulo e Corinthians pelo Paulistão de 2019.

Em 2020, apesar de haver um aumento de 40% nas intervenções do árbitro de vídeo durante as partidas, o tempo para tomada de decisão diminuiu 24%, indo de 1min45s para 1min25s, em média. Mesmo com essa diminuição, a demora ainda não chega perto do tempo médio da Copa do Mundo (38s).

Embora com problemas, o VAR mostrou sua eficiência. Segundo dados apontados pelo presidente da Comissão de Arbitragem da CBF, esse recurso acertou em 98,4% das decisões em jogos capitais, um aumento de 7,4% em relação à época sem árbitros de vídeo. Essas decisões assertivas ocorreram principalmente para o Flamengo, Atlético Goianiense, Internacional e Athletico Paranaense.

O árbitro de vídeo no Brasil mostra essa eficiência sobretudo na marcação de impedimentos e pênaltis, que chegam a 93,5% e 92,55% de acertos respectivamente.

Mesmo possuindo bons números, o VAR não passa confiança para os telespectadores, principalmente por não fazer um trabalho transparente. Na Premier League, a checagem dos lances aparecem nos telões dos estádios, a fim de que a torcida entenda o porquê da decisão tomada. Já no Brasil, os telespectadores só sabem da deliberação do lance quando o árbitro sinaliza a decisão, além de só terem o reprise do lance após horas, nos programas esportivos.

Outra situação que gera dúvidas sobre a eficácia do árbitro de vídeo é o fato do replay dos lances na televisão utilizar uma imagem diferente que a cabine do VAR usa para fazer a análise, o que faz com que os telespectadores tenham uma interceptação diferente da dos profissionais de arbitragem, o que acaba causando uma desconfiança na tomada de decisão.

O VAR chegou de forma repentina no Brasil, o que fez com que houvesse pouco tempo para preparar tanto os árbitros como os torcedores para essa nova era do futebol. Esse imediatismo para implantar a tecnologia acabou gerando muitas dúvidas sobre a eficácia e importância desse mecanismo. Nos países que tiveram um longo tempo de adaptação, como a Inglaterra, o árbitro de vídeo cumpre com êxito o seu papel, o que mostra que pode haver esperança na melhora da utilização desse sistema no Brasil, basta dar mais capacitação àqueles que estão à frente e fazem uso do VAR.

 

 

 

 

 

Tags:

Você pode gostar também

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *