CARREGANDO

O que você procura

Campus Geral

Escolas de São Paulo apostam no uso de tablets nas salas de aula como recurso

Compartilhar
Marcos Santos/ USP Imagens (17/12/2013).

Marcos Santos/ USP Imagens (17/12/2013).

O uso de dispositivos móveis por jovens e adolescentes é cada vez maior no Brasil, segundo recentes pesquisas de diferentes institutos. Com isso, novos e modernos métodos de ensino nas escolas começam a surgir e serem testados em ambiente escolar.

O Colégio Dante Alighieri, que fica próximo à Avenida Paulista, região central de São Paulo, é considerado pioneiro pela implantação de tablets na sala de aula. O projeto foi idealizado em 2008, porém saiu do papel apenas em 2011, com 30 alunos da 1ª série do Ensino Médio e que, devido ao sucesso em 2012, foi estendido para todas as classes da 1ª série.

Atualmente, as três séries do Ensino Médio contam com o aparelho em salas de aula, no sistema um por um, ou seja, um tablet por aluno. Um dos “pioneiros” do experimento é o aluno Raphael Gallo, da 3ª série do Ensino Médio, que também faz parte do Conselho Gestor Discente, responsável por trazer um diferencial ao projeto, a visão do aluno. Ele cita que um dos maiores desafios foi a adaptação.

Muitos dos estudantes se distraíam durante a aula no início do projeto. “Todo mundo já parou o que estava fazendo para entrar no joguinho”. Mas, com o passar do tempo, os alunos responderam positivamente aos aparelhos, que hoje são material obrigatório em sala de aula. “O que o tablet mais contribui em sala de aula não é tão diretamente nessa parte acadêmica, é mais no estar conectado com o mundo.”

A diretora do Departamento de Tecnologia Educacional, a professora Valdenice Minatel, contou também sobre a dificuldade do corpo docente na adaptação com os aparelhos, na aceitação de que o uso deles em salas de aula não seria prejudicial, e as vantagens para o desenvolvimento da aprendizagem. “Com o lançamento do iPad, em 2010, havia uma preocupação geral com as previsões, mas nós queríamos ver isso na prática”.

 

Valdenice justifica os problemas dos professores como uma consequência da falta de contato com o meio digital, uma vez que os alunos cresceram em meio à tecnologia e eles não. Porém, explica também que os dispositivos são uma forma inovadora e crítica para o aluno integrar-se à sala de aula, ensinando-o os princípios da ética e responsabilidade.

Há outros colégios que fazem uso da tecnologia. Pueri Domus e Porto Seguro são alguns deles. Em entrevista, o ex-aluno do Pueri, Thiago Vidal, contou um pouco de sua experiência durante seus anos de colegial. “Acho que eu peguei essa introdução do computador em sala de aula desde o seu início. Acho que foi uma das primeiras gerações que teve isso.”

O Colégio Visconde de Porto Seguro iniciou seu projeto em 2011, com uma abordagem diferente. Segundo a diretora de tecnologia educacional, Renata Pastore, o projeto inicial foi um laboratório móvel. Porém, com o tempo, o corpo docente e os próprios alunos foram preparados para lidar com o um por um.

Outro diferencial do colégio, para Renata, é que os alunos começam a usar os tablets no 9º ano, onde os alunos ainda não sentem a pressão de vestibular e ENEM, porém possuem uma maturidade adquirida durante todo o Ensino Fundamental.

Ela ainda destacou a importância da participação e do envolvimento dos alunos no projeto. Eles auxiliaram na escolha dos aparelhos (iPad) e na busca por aplicativos que poderiam ser úteis em sala de aula. O próprio aluno é um criador de conteúdo.

Os benefícios? “O aluno se sente mais motivado, é um ambiente em que ele tem fluência”, conta Renata. Outro ponto de destaque foi a de trazer a experiência de trazer para a sala de aula a sensação das aulas de laboratório, onde o aluno colocaria em prática o aprendido, e isso não apenas nas aulas de Física, Química e Biologia, mas também nas de Matemática e Português.

A diretora ainda relata que o uso dos tablets gera liberdade ao professor para que cada um deles crie uma aula diferente, adequando-se ao que precisam, e ampliando os recursos disponíveis para suas aulas. Um exemplo dado foi o de um professor de história que, por meio dos aparelhos, conseguiu mostrar aos seus alunos um mapa de 1790 como material de apoio em sala de aula.

As tecnologias se transformam com os anos, e, por mais que os momentos de adaptação possam ser um pouco conturbados, os colégios que já aderiram ao uso dos tablets em sala de aula afirmam que eles vêm para ajudar nos estudos.

Pedro D’El Rodrigues e Carolina Abrusio Cunha (1 semestre)

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *