CARREGANDO

O que você procura

Especiais Fotos

Templos Religiosos – Igreja Matriz Sant’Ana

Compartilhar

Pedro Cohem Dietrich – (2º semestre)

A Igreja Matriz Santa Ana, também conhecida como Sant’ana ou Paróquia de Sant’ana começou a ser construída em 1560, ano da fundação da cidade de Santana de Parnaíba, município que cresceu ao redor do templo. Com sua construção finalizada apenas em 1882 por conta de reformas, o edifício é tombado como patrimônio histórico do Brasil pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico ( CONDEPHAAT).

Santana de Parnaíba é uma das mais históricas cidades do estado de São Paulo, conhecida como Berço dos Bandeirantes, a cidade foi montada à volta da paróquia e do Rio Tietê, que corta o município por inteiro, sendo muito importante para a rica história da cidade.

O município é um dos que mais preserva sua história, podendo encontrar, no centro histórico da cidade, edificações da época colonial e ruas de paralelepípedo, tudo em meio à modernização e construções atuais.

Segundo o IBGE, a capela foi construída primeiramente como uma edificação de pau-a-pique e folhagens, o santuário passou por diversas reformas, as mais importantes em 1580, 1610 e 1882, data da última restauração notável, que reconstruiu a igreja com um estilo arquitetônico eclético, com piso em canela preta e altares que acompanham a liturgia.

A construção é o principal marco histórico da cidade, que se desenvolveu ao redor da paróquia. Em volta do mosteiro, é possível perceber que as raízes da cidade ainda são deveras vigentes em sua cultura. Os principais eventos da cidade de Santana de Parnaíba ocorrem nas praças Quatorze de novembro e na Praça da Bandeira, que ficam ao lado e atrás da Paróquia de Sant’ana.

Por ter uma importância enorme para a cidade, a Igreja reúne os principais eventos da cidade sempre ao seu redor. O natal no presépio, a feira de carros antigos e a feira da mulher empreendedora, ocorrem sempre ao redor da basílica.

O santuário chegou a passar por reformas na década de 1990 e no século 21, mas as obras não foram significativas a ponto de mexer na estrutura ou na estética da capela.

Tags:

Você pode gostar também

Leave a Comment

Your email address will not be published. Required fields are marked *